Arquivos de sites

O que há de errado?

manifestacoes_1

Há algo muito estranho ou errado acontecendo com a humanidade

A democracia, um governo que em tese seria do povo e para o povo, transformou-se em pura demagogia alimentada pela propaganda. O sistema econômico ora vigente já se encontra falido, pois não atende à distribuição de renda e tem tornado os ricos ainda mais ricos. São as políticas governamentais assistencialistas que vem diminuindo as diferenças sociais.

Porém, como o número de trabalhadores efetivamente empregados (que pagam os seus impostos) diminui em todo os países, mais cedo ou mais tarde, não haverá dinheiro para redistribuir.

Manifestações populares ocorrm em vários locais do mundo, sempre com um grau de violência acima de qualquer bom senso. E não são apenas as classes menos favorecidas que se insurgem, pois entre os manifestantes, encontramos representantes de várias categorias sociais com uma característica comum: posicionam-se contra a autoridade e as decisões do governo eleito.

manifestacoes_2Ou seja, observamos um crise de representatividade.

Na Ucrânia, a decisão de não ingressar na Comunidade Europeia é o motivo para as cenas de guerra que vemos nas mídias: é o povo contra a polícia. No Egito, são também as minorias que vem se manifestado contra os resultados das eleições. Na França, os protestos são dirigidos ao presidente recém-eleito.

E no Brasil, especialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, os Black Blocks são uma minoria que se mistura aos manifestantes que, legítima e pacificamente se reúnem para defenderem seus pontos de vista. Presenciei a concentração no vão do MASP, absolutamente tranquila. Acompanhei o restante da manifestação através de três noticiários diferentes na Internet. Foi noticiado que um grupo de baderneiros se juntou à frente dos manifestantes que seguiam pacificamente pela Av. Brigadeiro Luiz Antonio. Foi este grupo que enfrentou os policiais diante do Theatro Municipal e,em seu na sequência, quebrou agências bancárias, concessionárias e algumas entradas de prédios em seu caminho até a Rua Augusta.

manifestacoes_3Quando chegaram  à Praça Roosevelt, onde queimaram um carro, estavam do lado de casa. Ouvimos o barulho das vidraças sendo quebradas a pouco mais de 100 metros de onde moramos. O helicóptero da polícia pairou durante cerca de uma hora sobre um prédio diante do nosso. Pouco antes, policiais de moto apreenderam pessoas que fugiam por uma rua pouco movimentada entre a Augusta e a Nove de Julho. Nesta mesma região, em junho do ano passado, manifestantes e policiais se confrontaram em cenas típicas do Iraque ou Síria.

E hoje, as notícias vem dando maior importância ao episódio onde um grupo de policiais atirou num suposto baderneiro.

Porém, minhas questões vão em outra direção:

  • manifestacoes_4Que ética é esta que minimiza os danos causados às propriedades privadas durante as manifestações? Com exceção da agência da CEF, todas as demais depredações atingiram bens particulares que não tem relação com o governo ou com a própria Copa do Mundo.
  • Os governantes vem sendo eleitos com margens apertadas, o que permite questionar a sua representatividade. Se não detém maioria, a “minoria” corresponde a uma parcela expressiva da sociedade. É o que ocorreu na Alemanha e também já está acontecendo no Brasil. Aí eu pergunto se não existe um outro modelo de governo mais representativo? Está claro que os atualmente existentes, mesmo diante de populações menores, não conseguem mais este feito.

Talvez o “buraco” seja mesmo mais embaixo, e estejamos mesmo precisando de uma ética unificadora, papel exercido anteriormente pela religião, igualmente pulverizada e sem força suficiente para agregar seja o que for.

Você ainda pode gostar de ler:

 

Anúncios

Por onde vai a cidadania?

Hoje pela tarde eu me deparei com uma declaração inusitada, ao menos para este início de século XXI, no Brasil, onde a espiritualidade do cidadão é muitas vezes ambígua. Um dos candidatos à prefeitura de São Paulo declarou que seria bom ter uma Igreja em cada quarteirão da cidade (http://tinyurl.com/brv7erk). Sabe-se que ele é evangélico e membro da IURD. A campanha de Russomano está baseada na recuperação da cidadania. Conseguiria atingir seu objetivo através desta ação?

Duas outras notícias me chamaram a atenção ao longo dia. A FGV divulgou que a elevação da escolaridade reduz o trabalho informal (http://tinyurl.com/8omdxbr). A meu ver, escolaridade e trabalho são as melhores maneiras de recuperar a cidadania e a dignidade de seja lá quem for, uma vez que torna o indivíduo e sua família participantes e integrantes da sociedade na qual vivem.

Não se trata de criticar o papel das Igrejas, uma vez que muitas delas investem forte na educação, desde a pré-escola até a universidade. Entretanto, como o candidato colocou, parece que ficar orando é o suficiente para tirar as pessoas da marginalidade social e integrá-la no mercado de trabalho.

Na Alemanha, seu ministro da economia defendeu hoje de que os alemães deveriam se aposentar aos 80 anos (http://tinyurl.com/987and3). Não dá para comparar a qualidade de vida que a maior parte dos idosos tem por lá com aquela que é permitida aos idosos brasileiros.

Acredito que uma pessoa que se escolarizou terá melhores condições de vida à medida que sua idade avançar do que uma que deixou a sua vida nas mãos de uma Igreja.

Analogias da Crise

A crise econômica já se alastra há um bom tempo. Os noticiários estão recheados informações que evitam ser alarmantes. Porém, os reflexos de qualquer crise econômica são muito maiores do que a queda dos bancos e a perda de liquidez do comércio.
Desde que o início do século passado, o dinheiro é uma medida de energia individual. Quanto mais dinheiro um indivíduo possui, maior a sua capacidade de compra e, em tese, de alcançar a plenitude da felicidade. Tem acesso a bens e serviços de qualidade e permite-se usufruir de melhor qualidade de vida, para si e para os seus. Ou seja, tem mais energia, como acontece nos games (tem mais “vida”).

Paralelamente, há uma crise de geração de energia no planeta. Os combustíveis fósseis estão com os dias contados. É apenas uma questão de tempo para que outras formas de obter energia estejam naturalmente disponíveis. O conceito de energia renovável e suas implicações merece considerações detalhadas.

No meio empresarial, as empresas se fundem umas às outras para obter maior alcance e poder econômico. Os indivíduos se fortalecem na medida em que se unem em grupos e equipes, cooperando uns com os outros para maximizar o sucesso e, principalmente, para alcançar melhores resultados financeiros. O objetivo último é o benefício do lucro.
Em suma, o dinheiro (e sua analogia com energia) é o fim último.

Porém, o modelo monetarista atual está doente, é um paciente terminal e a estrutura financeira e consequentemente, todas as demais estruturas nela baseadas, como é o caso das estruturas sociais, em alerta vermelho há anos. Em breve, ruirão juntas como um jogo de dominó, em cadeia.

É desnecessário dizer que é preciso desconstruir este modelo. O dinheiro é apenas um artifício e, nesses tempos de o crédito virtual é um truque que corre o risco de se tornar apenas uma ilusão.

E onde se encontra a verdade? Qual é o mundo real? Os manifestantes diante do centro financeiro em NY são reais: estão desempregados e são vítimas da crise. Eles são os exemplos visíveis da falta de energia que assola o planeta. Porém, não podemos esquecer daqueles que já estão sem “energia” há muito tempo, que se encontram abaixo da linha de pobreza ao redor do mundo, inclusive no Brasil.

Protestos de Wall Street viram fenômeno global

O paradigma a ser quebrado parte de dentro e não de fora. Não dá para esperar por soluções vindas do exterior quando as respostas se encontram no íntimo de cada ser humano e, na sequencia, das comunidades e sociedades. Da mesma forma que a sociedade precisa se reorganizar, cada ser humano precisa, primeiramente, fazê-lo também. E da mesma forma que é preciso pensar em energias renováveis para a sobrevivência do planeta, deve-se fazer o mesmo para com o ser humano. Buscar o herói é lidar com a fonte da energia pessoal. É muito mais do que ir ao encontro de sua vocação. É ir ao encontro da comunhão com o “Deus em nós”.

Qual é o seu mito? Qual arquétipo está ligado a você? Joseph Campbell escreveu a respeito dos mitos e dos heróis, bem como, sua relação com o indivíduo. No entanto, a fase é outra, uma vez que não basta revelar o “deus” ou herói interior. É preciso que os deuses interiores se unam, do mesma maneira que as empresas, em grandes conglomerados (comunidades, sociedades), como fazem as abelhas e as formigas.

O indíviduo, diferente dos insetos, possui consciência e, principalmente, consciência de que tem consciência. Esta é a parcela humana que precisa ser desperta.

Antes que seja tarde: para o indivíduo e para o planeta.

Em busca do herói

Vivemos uma época de paradoxos.
Por um lado, a genialidade de alguns permite avanços tecnológicos notáveis, em todos os campos da ciência. Vive-se um limiar em que, muito brevemente, estaremos deixando para trás a utilização de combustíveis fósseis, substituídos por energias renováveis ou não poluentes.
Ao mesmo tempo, vivemos uma forte crise cambial, com efeitos devastadores nas economias de diversos países e pondo em risco alianças estratégicas. No outro lado do planeta, a China emerge como uma nova potência, embora com várias ressalvas de natureza social.
E na contramão desta parcela da humanidade, daquela que consome, encontramos populações inteiras sem acesso a benefícios básicos de alimentação e saúde, vivendo abaixo da linha de pobreza e dependendo de políticas sociais implantadas justamente pelos países que, atualmente, se encontram sem liquidez.

Sob a perspectiva individual, não há motivos para se alegrar. Na mesma medida em que despontam jovens de grande potencial e genialidade, em sua maioria, os jovens refletem a superficialidade e a trivialidade de motivações, interesses e conteúdo. Um pensamento se resume a 140 caracteres. Uma boa discussão não ultrapassa mil. Cada vez mais individualista, o ser humano depende paradoxalmente das redes sociais para se colocar no mercado ou para divulgar os seus produtos e serviços. Um avatar é, na verdade, uma segunda personalidade ou ainda, uma vida paralela, virtual e irreal que, por ser uma interface social, provoca igualmente relações não baseadas no concreto ou nos sentidos.

Acredito que a economia acabará encontrando um ponto de ajuste a médio e longo prazo, com políticas sustentáveis, por necessidade de sobrevivência, seja do planeta como da própria economia. Mas não tenho como afirmar o mesmo a respeito das diferenças sociais e muito menos, da falta de profundidade dos jovens. Temo pelo futuro de nossos filhos e netos. E principalmente, dos filhos e netos daqueles que não tem o que comer, não se encontram assistidos por políticas básicas de saúde e não tem acesso à educação.

Faltam heróis. Falta o herói interior. E talvez até o interesse em encontrar esse herói mítico dentro de si mesmo antes de ansiosamente buscá-lo no outro. O iluminismo e a revolução industrial colocaram o indivíduo acima do Universo e o sagrado, marginalizado.

Sob a ótica dos ciclos, sempre existem vários ocorrendo ao mesmo tempo. A recente conjunção entre Júpiter e Urano ocorreu com a oposição entre Júpiter e Saturno, envolvendo a polaridade Áries-Libra. O individual se confrontando com a cooperação e o coletivo, com predomínio do primeiro. Esta mesma combinação, entretanto, também possibilita uma reflexão sobre a relação de cada um com o outro, com o objetivo de transcender as fronteiras sociais ditadas pelas funções econômicas (as tais das classes A, B, C, etc…).
O herói interior é resultado do esforço no desenvolvimento e emprego de seus recursos e talentos. Muitas vezes, leva-se cerca de 30 anos para encontrar as referências que permitem o uso adequado das habilidades adquiridas por meio do aprendizado e da prática. Esforço exige concentração e dedicação, a visão de que tudo tem um tempo para amadurecer. Porém, o individualismo busca apenas resultados imediatos e, por isso mesmo, superficiais.
Enquanto a economia se defende com medidas protecionistas, o individuo se defende reforçando o seu castelo, competindo com todos, sem formar alianças, parcerias ou equipes de trabalho.
As grandes empresas, por outro lado, movidas por interesses econômicos, adquirem-se umas às outras formando grandes conglomerados. Aquele que estiver numa dessas empresas, estará no mercado de trabalho e poderá adquirir o que desejar, embora corra o risco de igualmente ser individualmente massacrado pelas pressões de metas ou resultados.
Qual a saída? A descoberta do herói pessoal para que cada um viva a sua estória de acordo com o seu mito, aquele impresso em sua carta astrológica e que resulta de suas próprias escolhas antes de encarnar neste mundo. Talvez tenha de se reprogramar em razão de novas prioridades e interesses, que o tornem auto-expressivo.
Ao estar alinhado consigo mesmo, seu maior prêmio é a felicidade. A felicidade de desenvolver-se plenamente a partir de seus próprios objetivos, de suas verdadeiras motivações e não aquelas impostas por uma sociedade economicamente orientada.
Para estar alinhado consigo mesmo, o indivíduo precisa conhecer-se a si mesmo, bem como os instrumentos que tem disponíveis para alcançar os seus propósitos. A onipresença divina se manifesta a partir da consciência interior. E esta é o melhor caminho para um mundo melhor.

%d bloggers like this: